Casamentos cristãos


Casamentos cristãos: “luzeiros no mundo”

Se existe uma área que os cristãos podem e devem ser luz (é claro que em todas as outras) é o casamento, devido a forma que estão corrompendo e transformando esta instituição divina no mundo.

O matrimônio entre os cristãos deve ser luzeiro em meio a uma negridão de trevas de pecado no mundo: Adultério; divórcio; falta de amor; infidelidade; descompromisso; desconsideração; desarmonia; ódio; magoas, que geram rancor e amargura; brutalidade; indiferença; violência verbal e física; etc., – algumas das “obras” vistas em inúmeros casamentos feitos e desfeitos.

“Fazei tudo sem murmurações nem contendas, para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiros no mundo, preservando a palavra da vida, para que, no Dia de Cristo, eu me glorie de que não corri em vão, nem me esforcei inutilmente.” (Filipenses 2.14-16)

Continue lendo

Anúncios

O adultério é lícito?

A instituição do casamento foi criada por Deus ainda nos primórdios da humanidade. “Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne” (Gênesis 2:24). O matrimônio não é unicamente para o povo escolhido de Deus na antiga aliança – os Hebreus -, e nem somente aos cristãos – Judeus e gentios convertidos a Cristo -, mas para todo e qualquer ser humano. A lei do casamento foi dada muito antes da Lei de Moisés e por isso ela é universal.

Alguns querendo defender a pratica do adultério e divórcio entre os descrentes – por eles não serem cristãos e não conhecerem ou ignorarem a vontade de Deus – negam a verdade em prol da mentira. Deus ao criar o homem colocou nele uma moral e todos independentemente de conhecerem a verdade, como nós conhecemos, sabem o que é certo e o que é errado. Se o adultério fosse lícito ele não seria realizado as escondidas do cônjuge! Um cônjuge ao descobrir a traição de seu parceiro gera uma das piores situações entre seres humanos, sem falar na dor e tantos outros sentimentos e consequências negativas.

Continue lendo

O homem cristão no lar – III

Servindo como pai
O homem a serviço do rei Jesus

“E vós, pais, não provoqueis vossos filhos à ira, mas criai-os na disciplina e na admoestação do Senhor.” (Efésios 6:4)

Além de servir como cabeça e marido, Deus quer que homens sirvam seus lares como pais. O exemplo já vimos nas lições anteriores; Jesus, sendo Senhor serviu aos seus discípulos, e com isso lhes deu exemplo (conf. João 13:13-15). O Senhor quer contar com homens que estejam dispostos a serem verdadeiramente pais para os seus filhos. No modelo de Jesus, os pais devem criá-los nos desígnios do Criador. Ele não deve provocá-los a ira e deve criá-los na disciplina e admoestação do Senhor. Este é o ministério dado por Deus aos pais; este é na verdade, outro privilégio concedido a nós pelo Senhor.

Você é um pai? Todos que somos pais poderíamos facilmente responder esta pergunta. Mas poderíamos afirmar que somos pais segundo os desígnios de Deus? Ter filhos não é a garantia de ser pai conforme o modelo bíblico, ou seja, o modelo apresentado e exigido pelo Criador da família, que é Deus. O simples fato de termos crianças em nossos lares gerados por nós, não nos faz pais segundo a vontade de Deus.

Continue lendo

O homem cristão no lar – II

Servindo como marido
O homem a serviço do rei Jesus

“Maridos, amai vossa mulher, como também Cristo amou a igreja e a si mesmo se entregou por ela,” (Efésios 5:25)

Como no verso 23, aqui Paulo também faz uma ligação muito importante para entendermos o papel do homem no lar; agora como marido. O Marido (Cristo) ama sua mulher (igreja). A segunda oração do versículo mostra o papel do “marido” Cristo: Ele “amou a igreja a si mesmo se entregou por ela”. Cristo ama a igreja e ele dá a sua vida por ela. Cristo a ama e por esta causa, deu sua vida por ela. O parafraseando para o homem ficaria deste modo: o marido ama a sua mulher, e a si mesmo se entrega por ela. Na aplicação seria: o marido ama a sua mulher, como Cristo amou a igreja (amor sacrificial) e a si mesmo se entrega por ela (ele faz tudo por ela até o ponto de dar a sua própria vida).

Deus quer homens que sirvam seus lares. Jesus sendo Senhor serviu aos seus discípulos (João 13:13-15). Jesus quer contar com homens que estejam dispostos a amar suas esposas como Ele amou a igreja. No exemplo de Jesus, ser marido está ligado ao amor sacrificial (agape); ele a ama, por isso a serve, cuida e dá a sua vida. Jesus nos chama a amar as nossas esposas. Este é o nosso ministério; este é o nosso privilégio.

Continue lendo

O homem cristão no lar – I

Servindo como cabeça
O homem a serviço do rei Jesus

Efésios 5:22-6:4 é um texto muito bom para nos apoiarmos e aprendermos sobre os papéis individuais no casamento. Paulo instruiu a todos os membros do lar neste trecho e antes deixou algo muito importante que devemos levar em consideração: “sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo” (v. 21). Sujeição não parece ser uma palavra que esteja entre as primeiras do nosso vocabulário, mas o apóstolo aqui mostrou que precisa estar (1 Coríntios 15:26-28; Tito 2:1,2; Tiago 4:7; 1 Pedro 2:13-17). Sujeição nos lembra de submissão e isto nos faz pensar que é algo direcionado somente as mulheres, certo? Errado! Sujeição está ligado à vida cristã e atinge a todos; na igreja, na vida e no lar. Submissão tem a ver com humildade e não com inferioridade. Se não estamos dispostos a nos sujeitar, tão pouco estaremos preparados para assumir um lar como Deus quer e deseja (ver apêndice).

Jesus é o rei dos reis; ele nos chama a servi-lo e a partir do momento que aceitamos seu convite nos submetendo ao batismo, passamos a ser seus súditos, seus servos (1 Timóteo 6:13-16). Serviço é a palavra de ordem na vida cristã (João 6:27; Lucas 10:2; Judas 3), e o lar é onde começamos servindo ao rei. No lar encontramos várias formas de servir: servimos como cabeça, servimos como marido, servimos como pai e servimos como filho. Estamos dispostos a servir?

Continue lendo