Teoria da evolução

Postado em Atualizado em

– 

A tal explosão “Big Bang” é uma das teorias da evolução da vida. O nome já diz tudo: “teoria”. Conforme o dicionário Aurélio, é “uma suposição, uma hipótese; um conhecimento especulativo, meramente racional”. Se for uma teoria, então é algo que não se pode provar, mas que se supõe ou que se especula ser a verdade.

 

Deus não é criado porque Ele é o Criador. A Bíblia diz que Ele é eterno. Ela nos relata em Gênesis 1:1 que Deus criou “os céus e a terra”, e em Gênesis 1:26 que Deus criou “o homem à sua imagem, conforme a sua semelhança”, ou seja, Deus criou o homem segundo o seu caráter, e não segundo sua forma física, pois Deus é Espírito e não carne. Em relação à eternidade de Deus e a sua criação é preciso ter fé. Fé não é simplesmente acreditar;  fé conforme o livro de Hebreus é “a certeza de coisas que se esperam, a convicção de fatos que se não vêem” (11:1). Por exemplo: a volta de Cristo é algo que se espera – é preciso ter fé! Jesus esteve neste mundo, andou entre os homens, mas isso é um fato que ninguém que está vivo hoje viu – é preciso ter fé! Fé não é apenas dizer: “eu acredito”. Fé é algo que vem de Deus; algo que nos move, nos dá esperança e nos transforma a cada dia. O que você prefere: acreditar numa teoria, que é vaga, que é uma suposição, uma especulação ou ter fé que existe um Ser superior que a tudo criou por seu imenso poder? “Deus é o arquiteto e edificador” (Hebreus 11:10).

 

Em qual dessas afirmações você se apóia: descender de um ser irracional (macaco) que foi evoluindo com o tempo; ou descender de um homem criado a imagem e semelhança de Deus? Deus criou dois seres distintos: o homem e os animais. O primeiro é racional e detém a inteligência para dominar o segundo. “Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; tenha ele domínio sobre os peixes do mar, sobre as aves dos céus, sobre os animais domésticos, sobre toda a terra e sobre todos os répteis que rastejam pela terra” (Gênesis 1:26). Os outros são irracionais e são dominados pelo homem. Quando a Bíblia diz dominar sobre os animais, não está dizendo para ser cruéis com eles, mas para que os animais possam servir as necessidades humanas. “O justo atenta para a vida dos seus animais, mas o coração dos perversos é cruel” (Provérbios 12:10). Caçar por esporte, touradas, farra do boi e briga de galos são algumas das crueldades que os homens praticam com os animais. Creio que aqueles que praticam essas e outras coisas não ficarão impunes. “Nenhum agravo sobrevirá ao justo, mas os perversos, o mal os apanhará em cheio” (Provérbios 12:21).

 

A Bíblia não é uma enciclopédia histórica e muito menos um manual de astronomia; a Bíblia é o livro da vida, é onde conhecemos o caráter de Deus e Seu plano para a redenção do homem; é onde podemos encontrar o caminho para a vida eterna. Jesus disse aos líderes judeus: “Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim (João 5:39). E por fim a Bíblia não é livro de teorias humanas, mas é a expressão da sabedoria divina. “A sabedoria, porém, lá do alto é, primeiramente, pura; depois, pacífica, indulgente, tratável, plena de misericórdia e de bons frutos, imparcial, sem fingimento” (Tiago 3:17).

As teorias tiram a atenção do homem da sua verdadeira descendência. Que os cristãos cada vez mais refutem essa ideia teórica de evolução da vida e defenda a causa de Cristo aqui na terra até a sua volta. Que todos estejamos preparados para maravilhosa e esplendorosa manifestação.

Anúncios

O fruto do Espírito

Postado em Atualizado em

 

“Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei.”

 

O fruto do Espírito é um fruto contendo 9 partes, ou melhor, 9 virtudes. Não se diz “os frutos”, mas o fruto, pois todas as virtudes devem estar presentes na vida de um cristão. Todo aquele que é “batizado” (do grego “baptizo”; ou seja, “imerso”) em água em obediência à vontade de Deus recebe o “dom” do Espírito Santo, ou seja, a presença, ou o “selo” do Espírito de Deus em sua vida (para maiores detalhes sobre o batismo bíblico veja “Passos para salvação”). Ao ser batizada, a pessoa é contemplada pela graça (dom imerecido) de Deus com as virtudes básicas: amor, paz e alegria. Através destas três virtudes, o discípulo de Cristo desenvolve as outras seis ao longo de sua nova vida aqui na terra. Abaixo veja a analise de cada uma dessas virtudes:

 

 

Virtudes básicas: (recebidas no batismo) – termo entre parênteses no grego

 

Amor (Agape): a ação de Deus em favor dos homens. O amor incondicional. O desejo intenso de fazer o bem aos outros sem exigir retribuição.

Ex.: Jesus morreu pelos homens, mas muitos não o seguem.

 

Alegria (Eirene): exultação; grande júbilo; grande contentamento; alegria intensa; algo inacabável.

Obs.: “Eirene” vem de Deus, não vem de nós mesmos; não vem de homens. É um estado interno e não meramente externo. Não é a alegria do mundo, que oscila conforme a situação em que alguém se encontra.

 

Paz (Chara): estado tranqüilo de uma alma assegurada de sua salvação por Cristo, não temendo nada.

Ex: é a tranqüilidade em meio às “guerras”; em meio às tribulações. É estar em paz com Deus, ou seja, “em dia” com o Salvador.

 

 

Virtudes sociais: (relacionamento c/ os outros)

– “você pode ser longânimo, benigno e bondoso para com os outros”.

 

Longanimidade (Makrothynia): persistência; tenacidade

Obs.: Deus é longânimo; Ele tem esperado nosso arrependimento; Ele não desiste de nós; é tenaz – mas o dia final está chegando, prepare-se.

 

Benignidade (Crestotes): suavidade; brandura; agradável

Obs.: aquele que é brando; meigo; doce para com as outras pessoas.

 

Bondade (Agathosyne): purificação do templo (retirar o mal)

Obs.: Chamaram Jesus de bom Mestre, ao passo que Ele respondeu dizendo: “Por que me chamas bom? Ninguém é bom senão um, que é Deus” (Evangelho de Marcos 10:18). Bondade é a inexistência de maldade. Só Deus é assim, e Ele quer retirar o mal de nossas vidas.


Virtudes pessoais: (consigo próprio)

– “você pode ser fiel, manso e ter domínio sobre suas ações”.

 

Fidelidade (Pistis): lealdade

Obs.: nas coisas menores ou na ausência de pessoas conhecidas como cônjuge, irmãos ou parentes é que mostramos que estamos desenvolvendo esta virtude, ou seja, aprendendo a ser fiel a Deus, pois Ele não se faz presente fisicamente ao nosso lado, mas espiritualmente – não podemos vê-lo. A presença de pessoas nos “inibe” de fazer certas coisas, por isso, a importância de sermos fiéis, pois só Deus está conosco 24 horas por dia, mais ninguém.

 

Mansidão (Praotes): Cortesia; gentileza

Ex: alguém que é como um “touro”, mas age como uma pomba – Aquele que é “domado” – domado pelo amor (Agape)

Obs.: Não confundamos ser manso com ser tolo, alguém que todos pisam e aproveitam, ou seja aquele que é ingênuo.

 

Domínio próprio (Egkrateia): autocontrole

Obs.: alguém que não se deixa levar pelas circunstâncias, ou pela sua personalidade “forte”. Controla suas ações. Pensa, antes de agir.

E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências. Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito. Não nos deixemos possuir de vanglória, provocando uns aos outros, tendo inveja uns dos outros. (Gálatas 5:24-26)