Perecendo no deserto

Bezerro de ouro - 2

“Todos eles comeram de um só manjar espiritual e beberam da mesma fonte espiritual; porque bebiam de uma pedra espiritual que os seguia. E a pedra era Cristo. Entretanto, Deus não se agradou da maioria deles, razão por que ficaram prostrados no deserto.” (1 Coríntios 10:3-5)

No verso 11 da passagem em coríntios lemos: “Estas coisas lhes sobrevieram como exemplos e foram escritas para advertência nossa, de nós outros sobre quem os fins dos séculos têm chegado”. Que coisas? Os versos anteriores respondem: “não cobicemos as coisas más, como eles cobiçaram.” (vers. 6b); “Não vos façais, pois, idólatras, como alguns deles; porquanto está escrito: O povo assentou-se para comer e beber e levantou-se para divertir-se.” (vers. 7); “E não pratiquemos imoralidade, como alguns deles o fizeram, e caíram, num só dia, vinte e três mil.” (vers. 8); “Não ponhamos o Senhor à prova, como alguns deles já fizeram” (vers. 9a); “Nem murmureis, como alguns deles murmuraram e foram destruídos pelo exterminador.” (vers. 10). Lembremos que “todos eles comeram de um só manjar espiritual… Entretanto, Deus não se agradou da maioria deles, razão por que ficaram prostrados no deserto.” (vers. 3,5).

“Ora, estas coisas se tornaram exemplos para nós,” (vers. 6a) para que sejamos perspicazes. David Roper definiu “perspicaz” da seguinte maneira em seu estudo sobre o profeta Elias: “perspicaz significa capaz de compreender os significados, descobrir lições, seguir e viver de acordo com essas lições”. As lições que precisamos buscar são aquelas que Senhor nos apresenta e nos revelou pela Sua soberana e infalível Palavra.

Continue lendo

Anúncios

Meditação – Filipenses 2:14-16

Fazei tudo sem murmurações

Flilpenses-214-16“Fazei tudo sem murmurações nem contendas, para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiros no mundo, preservando a palavra da vida, para que, no Dia de Cristo, eu me glorie de que não corri em vão, nem me esforcei inutilmente.” (Filipenses 2:14-16)

 

– Encontramos aqui uma chave para nos tornarmos cristãos autênticos: “Fazei tudo sem murmurações nem contendas”. Mas o que é murmurar? Murmurar é difamar, cochichar, resmungar, queixar-se em voz baixa ou conversar às escondidas de alguém. O apóstolo Paulo foi enfático ao dizer que precisamos fazer tudo sem murmuração, ou seja, naquilo que vamos fazer para Deus, devemos fazê-lo com gratidão em nossos corações.

Geralmente resmungamos quando temos que fazer algo que nos desagrada, mas que é o certo a fazer. Precisamos lembrar que muitas coisas que Deus nos pede, são muito difíceis e são poucos que realmente fazem. Tem algo que o Senhor pediu pra você fazer, mas ainda não o fez ou tem murmurado em relação a isso?

Paulo também diz para fazermos tudo sem contendas. Contender é brigar, rivalizar, competir, contrapor-se. Jesus não nos chamou para brigar uns com os outros, “porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes” (Efésios 6:12). Muitos querem servir a Deus contendendo com os outros; sempre criando rixas e discussões vãs, que não levam a lugar algum, a não ser a própria contenda. Mas Jesus nos chamou para amar como Ele amou; servir como Ele serviu; e andar como Ele andou.

Precisamos agir de maneira que ninguém precise nos repreender. Precisamos falar a verdade uns com os outros, mesmo que isso nos faça sofrer. Precisamos agir de tal forma que ninguém tenha razão em nos culpar. Dessa maneira seremos luz para o mundo e não trevas. Seremos aqueles que preservam a Palavra de Cristo e praticam os seus ensinamentos.

O apóstolo Paulo se esforçou sobremaneira em seu serviço a Deus: em vós, a esperança da glória; o qual nós anunciamos, advertindo a todo homem e ensinando a todo homem em toda a sabedoria, a fim de que apresentemos todo homem perfeito em Cristo; para isso é que eu também me afadigo, esforçando-me o mais possível, segundo a sua eficácia que opera eficientemente em mim (Colossenses 1:27b-29). Que batalhemos “diligentemente, pela fé que uma vez por todas foi entregue aos santos” (Judas 1:3).

Meditação – 1 Pedro 4:9

Sendo hospitaleiros

 

“… sendo hospitaleiros uns para com os outros, sem murmuração” (1 Pedro 4:9)

 

– Nos versos anteriores (7,8) o apóstolo disse que o fim se aproxima e em conseqüência disso precisamos ser prudentes, orando cem cessar e amando incondicionalmente uns aos outros.

Agora, Pedro nos estimula a sermos hospitaleiros. Ser hospitaleiro é a qualidade de quem acolhe com afeto; tem disposição para receber e tratar o ‘hóspede’ (Romanos 12:13). É aquele que aloja alguém com prazer, alegria e bom trato, não pensando em despesas e valores.

Não é só dito para sermos hospitaleiros, mas também que não aja murmuração, ou seja, que não só ‘recebamos’ e ‘tratemos’ bem o hóspede, mas que não reclamemos por detrás ou ocultamente. Isto é muito sério!

É bom lembrar que nada está oculto aos olhos de Deus (Marcos 4:22). Sabendo disso, deveríamos refletir muito em nossas atitudes para com os outros, especialmente nossos irmãos ao recebe-los em casa, principalmente aqueles que não são do nosso laço de convivência Jesus disse que amar a quem nos ama é coisa mais fácil que existe, pois até incrédulos o fazem naturalmente (cf. Mateus 5:46).

O cristão vai além das barreiras raciais, sociais e intelectuais que o mundo impõe. Sejamos hospitaleiros como o Senhor quer que sejamos, e amemos uns aos outros como Jesus nos amou.

Meditação – João 7:12

Grande murmuração

“Era grande a murmuração a respeito dele entre as multidões. Diziam alguns: Ele é bom. Mas outros diziam: não, antes engana o povo”. (João 7:12)


– Muitos enganam o povo, mas não Jesus. O povo é facilmente enganado pelos falsos mestres e falsos profetas.

Jesus nosso Senhor, não enganou ninguém, pois viveu pela verdade da Palavra de Deus. Isso incomodou muita gente naquele tempo e hoje não é diferente com seus legítimos seguidores.

O discípulo fiel incomoda àqueles que não querem seguir fielmente a vontade soberana de Deus. Como disse o Senhor Jesus: “são poucos que acertam com esse caminho” (conf. Mateus 7:13,14).

Estejamos entre estes poucos que estão no caminho apertado rumo à porta estreita que conduz a vida eterna.