Alegria

Como os cristãos viviam?

Postado em Atualizado em

Cristãos viviam completamente diferente da vida que levavam antes de conhecer Jesus. Veja em Atos 2:42-47:

1) E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações. 2) Em cada alma havia temor; e muitos prodígios e sinais eram feitos [por intermédio dos apóstolos]. 3) Todos os que creram estavam juntos e tinham tudo em comum. 4) Vendiam as suas propriedades e bens, distribuindo o produto entre todos, à medida que alguém tinha necessidade. 5) Diariamente perseveravam unânimes no templo, partiam pão de casa em casa e tomavam as suas refeições com alegria e singeleza de coração, louvando a Deus e contando com a simpatia de todo o povo. 6) Enquanto isso, acrescentava-lhes o Senhor, dia a dia, os que iam sendo salvos.

Particularidades:

1) Os cristãos perseveravam (continuavam, persistiam, conservavam-se firmes e tinham constância) na doutrina dos apóstolos (A fonte dos ensinamentos dos apóstolos era Jesus, a Palavra de Deus [João 1:1]). Perseveravam também na comunhão (uma só fé), no partir do pão (ceia do Senhor) e nas orações (armadura de Deus – Ef 6:18).

Leia o resto deste post »

Anúncios

Paralelo da Lei

Postado em Atualizado em

A lei do SenhorCântico utilizado: “A lei do Senhor” (Salmo 19:7-10)

“A Lei do Senhor é perfeita, e restaura a alma.”
– A lei do Senhor transforma o meu caráter.
– Altera o meu viver.
– Me dá uma vida plena e abundante.
– Me prepara para o encontro triunfal com Jesus.
– Ela me trás a esperança da vida eterna.

“O testemunho do Senhor é fiel, e dá sabedoria aos símplices.”
– O testemunho do Senhor me ensina a viver de modo digno.
– Me ensina a fazer o que é correto e louvável diante de Deus.
– Ele me mostra o caminho em que devo andar.
– Me encoraja a ser e a continuar fiel.
– Me torna sábio em minhas atitudes.

“São mais desejáveis do que ouro depurado.”
– São mais desejáveis do que qualquer tesouro.
– Do que qualquer prêmio…
– Qualquer título.
– Qualquer conquista.
– Qualquer presente.

“São mais doces do que o mel e o destilar dos favos.”
– Doce aos meus olhos.
– Agradável ao meu coração…
– Ao meu viver.
– Ao meu andar.
– Ao meu ser.

“Os preceitos do Senhor são retos, e alegram o coração.”
– Os preceitos do Senhor são justos e bons.
– Ele me faz feliz.
– Eu fico cheio de júbilo.
– Me faz contentar.
– Regozija o meu ser.

“O mandamento do Senhor é puro e ilumina os olhos.”
– O mandamento do Senhor me guia nos difíceis caminhos da vida.
– Me livra da escuridão do pecado.
– Ele abre os meus olhos para ver o que é reto, justo e bom.
– Santifica o meu ser.
– Me torna puro, separado e consagrado para servir a Deus.

“O temor do Senhor é límpido, e permanece para sempre.”
– O temor do Senhor é puro.
– Ele é santo…
– Não tem mancha.
– É transparente.
– É eterno.

“Os juízos do Senhor são verdadeiros e todos igualmente justos.”
– Nos juízos do Senhor há Justiça.
– Há verdade…
– Igualdade.
– Perdão.
– Amor.

Se há lei, é porque Deus me amou e enviou Seu Filho para cumpri-la em meu lugar, pois ninguém seria capaz senão Ele.
“Não penseis que vim revogar a Lei ou os Profetas; não vim para revogar, vim para cumprir” (Mateus 5:17).

Se há lei, é porque Deus existe, e nela, Ele revelou sua vontade.
“As coisas encobertas pertencem ao SENHOR, nosso Deus, porém as reveladas nos pertencem, a nós e a nossos filhos, para sempre, para que cumpramos todas as palavras desta lei” (Deuteronômio 29:29).

Se há lei, é porque haverá justiça.
“Ora, sabemos que tudo o que a lei diz, aos que vivem na lei o diz para que se cale toda boca, e todo o mundo seja culpável perante Deus, visto que ninguém será justificado diante dele por obras da lei, em razão de que pela lei vem o pleno conhecimento do pecado. Mas agora, sem lei, se manifestou a justiça de Deus testemunhada pela lei e pelos profetas; justiça de Deus mediante a fé em Jesus Cristo, para todos e sobre todos os que crêem; porque não há distinção, pois todos pecaram e carecem da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, a quem Deus propôs, no seu sangue, como propiciação, mediante a fé, para manifestar a sua justiça, por ter Deus, na sua tolerância, deixado impunes os pecados anteriormente cometidos; tendo em vista a manifestação da sua justiça no tempo presente, para ele mesmo ser justo e o justificador daquele que tem fé em Jesus” (Romanos 3:19-26).

Onde está o amigo?

Postado em Atualizado em

Onde está o amigo…

… quando precisamos dele? Presente.
… quando estamos tristes? Nos consolando.
… quando caímos? Nos levantando.
… quando falhamos? Nos compreendendo.
… quando temos medo? Nos encorajando.
… quando estamos felizes? Regozijando.
… quando vencemos? Contente.
… quando superamos a adversidade? Animado.
… quando erramos? Nos admoestando.
… quando perdemos um ente querido? Nos fortalecendo.
… quando fracassamos? Nos sustentando.
… quando estamos sofrendo? Sendo misericordioso.
… quando “sumimos”? Nos achando.
… quando pecamos? Nos perdoando.

O verdadeiro amigo se preocupa e se compromete. Ele busca, ele não esquece. O verdadeiro amigo nos quer por perto; ele não desiste; ele não desanima. O verdadeiro amigo não faz acepção; não julga; não condena. O verdadeiro amigo procura enxergar o coração e não o exterior.

Seja um verdadeiro amigo!

“Algumas amizades não duram nada, mas um verdadeiro amigo é mais chegado que um irmão.” (Provérbios 18:24 NTLH)

“O olhar de amigo alegra ao coração…” (Provérbios 15:30a)

“Em todo tempo ama o amigo, e na angústia se faz o irmão.” (Provérbios 17:17)

“Ninguém tem maior amor do que este: de dar alguém a própria vida em favor dos seus amigos.” (João 15:13)

O sofrimento que produz alegria

Postado em Atualizado em


O cristianismo puro e simples não ficará livre de tempos difíceis. Atrevo-me a dizer que é impossível para aquele que professa a verdadeira fé em Cristo neste mundo de corrupção, maldade e injustiça, não passe por momentos de tribulação em sua vida. O cristão, no sentido exato da palavra, ou seja, aquele que segue e obedece fielmente à vontade de Deus, não se alegra com a irreverência, com a malícia e com toda sorte de impureza, tão claramente impostas no mundo atual. O cristão não participa das obras infrutíferas das trevas; não tem prazer em nenhuma delas, antes como bom soldado de Cristo, tem muito a fazer em prol de seu General e não perde seu tempo com coisas vãs. Ele participa dos “sofrimentos como bom soldado de Cristo Jesus. Nenhum soldado em serviço se envolve em negócios desta vida, porque o seu objetivo é satisfazer àquele que o arregimentou” (2 Timóteo 2:3,4).

Se você foi chamado por Cristo, alistado por Ele, o General, não perca tempo em batalhas vãs, batalhe pela causa de Cristo, ir “buscar e salvar o perdido” (Lucas 19:10).

Hoje estão cada vez mais “normais” no dia a dia da sociedade moderna, práticas irreverentes como: adultério, divórcio, imoralidade, falsidade, violência, corrupção, maldade, etc. A moral que Deus colocou em cada homem ao criá-lo, parece não fazer nenhuma diferença. Só em Cristo é possível para o pecador retomar o caráter que lhe foi colocado, quando da sua criação por Deus. O mais grave ainda é a falta de compromisso com o Senhor daqueles que se dizem “cristãos”, que com suas condutas, mostram-se completamente desconhecedores da pureza e santidade, fatores indispensáveis para uma comunhão plena com Deus. “Devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados pelo Senhor, porque Deus vos escolheu desde o princípio para a salvação, pela santificação do Espírito e fé na verdade” (2 Tessalonicenses 2:13). O fato é que existem muitos religiosos, mas poucos seguidores fiéis a Jesus Cristo e a sua soberana vontade.

 

Deus busca verdadeiros seguidores que “o adorem em espírito e em verdade” (João 4.24). O cristão fiel sofrerá muito neste mundo corrupto comandado pelo paganismo e idolatria, mas é um sofrimento que produz alegria; a mesma alegria e satisfação que os apóstolos tiveram ao serem açoitados e mortos pela causa de Cristo; por serem fiéis a Ele. “Chamando os apóstolos, açoitaram-nos e, ordenando-lhes que não falassem em o nome de Jesus, os soltaram. E eles se retiraram do Sinédrio regozijando-se por terem sido considerados dignos de sofrer afrontas por esse Nome(Atos 5:40,41). O alvo de cristão é o céu – a morada eterna ao lado de Deus -; aqui, apenas estamos de passagem, peregrinos em terra estranha, pois a nossa pátria é a celestial. Muitos confundem o sofrimento que os apóstolos e servos de Deus tiveram ao longo dos anos, como se Deus não fizesse nada para impedir. Mas a verdade é que “…todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos” (2 Timóteo 3:12). Viver piedosamente é viver em reverência total para com Deus; é ser zeloso com a Sua obra; é cuidar de Seus interesses aqui na terra; é ser fiel em toda e qualquer situação. O “mundo” não está interessado nisto, e quem decidir se envolver, ou melhor, se comprometer com Deus, cabalmente começará a ser perseguido, pois quem se aproxima dele precisa deixar muitas praticas (como as que descrevi acima) e não se envolver com “negócios desta vida” que a sociedade busca desenfreadamente e acabam tirando o cristão da meta principal que é servir e agradar a Deus.

 

“Como filhos da obediência, não vos amoldeis às paixões que tínheis anteriormente na vossa ignorância; pelo contrário, segundo é santo aquele que vos chamou, tornai-vos santos também vós mesmos em todo o vosso procedimento, porque escrito está: Sede santos, porque eu sou santo” (1 Pedro 1:14-16). Ser santo é ser separado para servir a Deus; é não se corromper; é não se amoldar aos padrões humanos de moralidade. Ser santo é não se contaminar com as impurezas e desejos desenfreados da carne e dos pensamentos. Ser santo é ser consagrado ao serviço de Deus, ou seja, separar a sua vida para ser usada pelo Senhor como um instrumento purificado.

 

Que busquemos cada vez mais esse caráter de Deus em nossas vidas; o caráter que nos faz semelhantes a Ele. Um caráter que não se dobra ante a imposição ou influência deste mundo de transgressão, maldade e injustiça.

 

O fruto do Espírito

Postado em Atualizado em

 

“Mas o fruto do Espírito é: amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fidelidade, mansidão, domínio próprio. Contra estas coisas não há lei.”

 

O fruto do Espírito é um fruto contendo 9 partes, ou melhor, 9 virtudes. Não se diz “os frutos”, mas o fruto, pois todas as virtudes devem estar presentes na vida de um cristão. Todo aquele que é “batizado” (do grego “baptizo”; ou seja, “imerso”) em água em obediência à vontade de Deus recebe o “dom” do Espírito Santo, ou seja, a presença, ou o “selo” do Espírito de Deus em sua vida (para maiores detalhes sobre o batismo bíblico veja “Passos para salvação”). Ao ser batizada, a pessoa é contemplada pela graça (dom imerecido) de Deus com as virtudes básicas: amor, paz e alegria. Através destas três virtudes, o discípulo de Cristo desenvolve as outras seis ao longo de sua nova vida aqui na terra. Abaixo veja a analise de cada uma dessas virtudes:

 

 

Virtudes básicas: (recebidas no batismo) – termo entre parênteses no grego

 

Amor (Agape): a ação de Deus em favor dos homens. O amor incondicional. O desejo intenso de fazer o bem aos outros sem exigir retribuição.

Ex.: Jesus morreu pelos homens, mas muitos não o seguem.

 

Alegria (Eirene): exultação; grande júbilo; grande contentamento; alegria intensa; algo inacabável.

Obs.: “Eirene” vem de Deus, não vem de nós mesmos; não vem de homens. É um estado interno e não meramente externo. Não é a alegria do mundo, que oscila conforme a situação em que alguém se encontra.

 

Paz (Chara): estado tranqüilo de uma alma assegurada de sua salvação por Cristo, não temendo nada.

Ex: é a tranqüilidade em meio às “guerras”; em meio às tribulações. É estar em paz com Deus, ou seja, “em dia” com o Salvador.

 

 

Virtudes sociais: (relacionamento c/ os outros)

– “você pode ser longânimo, benigno e bondoso para com os outros”.

 

Longanimidade (Makrothynia): persistência; tenacidade

Obs.: Deus é longânimo; Ele tem esperado nosso arrependimento; Ele não desiste de nós; é tenaz – mas o dia final está chegando, prepare-se.

 

Benignidade (Crestotes): suavidade; brandura; agradável

Obs.: aquele que é brando; meigo; doce para com as outras pessoas.

 

Bondade (Agathosyne): purificação do templo (retirar o mal)

Obs.: Chamaram Jesus de bom Mestre, ao passo que Ele respondeu dizendo: “Por que me chamas bom? Ninguém é bom senão um, que é Deus” (Evangelho de Marcos 10:18). Bondade é a inexistência de maldade. Só Deus é assim, e Ele quer retirar o mal de nossas vidas.


Virtudes pessoais: (consigo próprio)

– “você pode ser fiel, manso e ter domínio sobre suas ações”.

 

Fidelidade (Pistis): lealdade

Obs.: nas coisas menores ou na ausência de pessoas conhecidas como cônjuge, irmãos ou parentes é que mostramos que estamos desenvolvendo esta virtude, ou seja, aprendendo a ser fiel a Deus, pois Ele não se faz presente fisicamente ao nosso lado, mas espiritualmente – não podemos vê-lo. A presença de pessoas nos “inibe” de fazer certas coisas, por isso, a importância de sermos fiéis, pois só Deus está conosco 24 horas por dia, mais ninguém.

 

Mansidão (Praotes): Cortesia; gentileza

Ex: alguém que é como um “touro”, mas age como uma pomba – Aquele que é “domado” – domado pelo amor (Agape)

Obs.: Não confundamos ser manso com ser tolo, alguém que todos pisam e aproveitam, ou seja aquele que é ingênuo.

 

Domínio próprio (Egkrateia): autocontrole

Obs.: alguém que não se deixa levar pelas circunstâncias, ou pela sua personalidade “forte”. Controla suas ações. Pensa, antes de agir.

E os que são de Cristo Jesus crucificaram a carne, com as suas paixões e concupiscências. Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito. Não nos deixemos possuir de vanglória, provocando uns aos outros, tendo inveja uns dos outros. (Gálatas 5:24-26)