Boas obras

Excelente obra

Postado em Atualizado em

O profeta Elias, assim como Moisés, dentre outros homens, serviram a Deus até sua velhice. Elias, que praticamente já estava aposentado dos serviços ao SENHOR, retornou a ativa quando o filho do rei Acabe, o rei Acazias começou a governar em Israel, tendo este, insultado sobremaneira a Deus consultando um deus pagão chamado “Baal-Zebube” (2 Reis 1:1-4), deus de Ecrom. Moisés, também em avançada idade, guiou o povo de Deus rumo a terra prometida.

Leia o resto deste post »

Anúncios

É impossível ser perfeito?

Postado em Atualizado em

“É impossível ser perfeito!” Muitos podem dizer; mas Jesus disse que precisamos ser perfeitos como o Pai.

“Portanto, sede vós perfeitos como perfeito é o vosso Pai celeste.” (Mateus 5:48)

Como? Se o Espírito Santo habita em nós (dádiva concedida aos que foram redimidos pelo sangue do Cordeiro) e tem liberdade para atuar – quando entregamos nossas vidas a sua direção. Assim, em cada oportunidade que tivermos, poderemos colocar em pratica os ensinamentos aprendidos com Jesus sob a direção do Espírito de Deus.

Leia o resto deste post »

Inércia

Postado em Atualizado em

Inércia: A inimiga dos cristãos

Há uma “força”, ou como poderíamos dizer de forma figurada, “entidade”, que o inimigo usa de forma avassaladora contra cristãos; ela se chama “Inércia”. Conforme o dicionário Priberam, inércia quer dizer: 1) Falta de movimento ou de atividade; 2) Preguiça, indolência; 3) [Física] Propriedade dos corpos que não podem, de per si, alterar o seu repouso ou o seu movimento; 4) [Física] Resistência de um corpo ao movimento ou ao repouso. Pois bem, com estes significados a inércia faz seus estragos, e terríveis, diga-se de passagem, na vida de muitos cristãos, tornando-se iguais a ela: inertes. O resultado disso é a inoperância. A inércia é contagiosa, se alastra de forma rápida e perigosa como uma doença fatal. A inércia, geralmente, é como o fermento, que mesmo em pouca quantidade, leveda toda a massa.

Leia o resto deste post »

Zeloso de boas obras

Postado em Atualizado em

“Porquanto a graça de Deus se manifestou salvadora a todos os homens, educando-nos para que, renegadas a impiedade e as paixões mundanas, vivamos, no presente século, sensata, justa e piedosamente, aguardando a bendita esperança e a manifestação da glória do nosso grande Deus e Salvador Cristo Jesus, o qual a si mesmo se deu por nós, a fim de remir-nos de toda iniquidade e purificar, para si mesmo, um povo exclusivamente seu, zeloso de boas obras.” (Tito 2:11-14)

É triste como alguns tratam as coisas de Deus – aquelas “coisas que Deus providenciou para nos mantermos salvos”, conforme dizia o saudoso irmão e amigo Carlos Ferreira.

Jeremias disse palavras fortes àqueles que não tem o devido zelo no serviço prestado a Deus: “Maldito aquele que fizer a obra do SENHOR relaxadamente!” (48:10a)

Leia o resto deste post »

Meditação – 1 Pedro 2:11,12

Postado em Atualizado em

Procedimento correto

 

“Amados, exorto-vos, como a peregrinos e forasteiros, que vos abstenhais das concupiscências da carne, as quais combatem contra a alma; tendo o vosso procedimento correto entre os gentios, para que naquilo em que falam mal de vós, como de malfeitores, observando as vossas boas obras, glorifiquem a Deus no dia da visitação.” (1 Pedro 2:11,12)

 

– Somos peregrinos em terra estranha, e como tal, devemos viver de modo digno ao qual fomos chamados: “abstende-vos de toda forma de mal” (1 Tessalonicenses 5:22). Com certeza, o pecado e a maldade vão contra a natureza cristã.

O natural de um fumante é fumar um maço atrás do outro, e de um alcoólatra é tomar uma dose atrás de outra. O natural de um mentiroso é mentir e de um fofoqueiro é fazer fofocas. Mas e um cristão, qual a sua natureza? A sua natureza é viver no mundo e não para o mundo; é se livrar dos desejos e práticas carnais que o levam pra longe de Deus; é viver corretamente, ou seja, com sinceridade, verdade e justiça diante dos homens e de Deus; é honrar, glorificar e amar a Deus sobre todas as coisas e amar ao seu próximo como a si mesmo.

Se os incrédulos falarem mal de nós, que seja por inveja, discriminação ou perseguição. Que eles não tenham razão em suas acusações contra nós para que no julgamento, Deus seja glorificado por nossas vidas santas e inculpáveis.