Comunhão com descrentes

Jugo desigual - I

Jovem torna-te padrão – Posso ter comunhão com descrentes?

“Torna-te, pessoalmente, padrão de boas obras” (Tito 2:7a)

→ Uma mensagem direcionada especialmente aos jovens, mas dedicada a todo aquele que se diz seguidor fiel de Cristo Jesus.

A nossa parte: (Perguntas para reflexão)

1 – O que quer dizer santificação?
2 – Porque Deus quer um povo santo?
3 – É possível permanecer na presença de Deus estando nós em pecado?
4 – Quem são os santos de Deus hoje?
5  A Santificação é essencial para ter comunhão com Deus?
6 – Que faremos para aproveitar desta amizade com Deus?
7 – Como Deus quer que vivamos nesse mundo?

O que diz a palavra:

14 Não vos ponhais em jugo desigual com os incrédulos; porquanto que sociedade pode haver entre a justiça e a iniqüidade? Ou que comunhão, da luz com as trevas? 15 Que harmonia, entre Cristo e o Maligno? Ou que união, do crente com o incrédulo? 16 Que ligação há entre o santuário de Deus e os ídolos? Porque nós somos santuário do Deus vivente, como ele próprio disse: Habitarei e andarei entre eles; serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. 17 Por isso, retirai-vos do meio deles, separai-vos, diz o Senhor; não toqueis em coisas impuras; e eu vos receberei, 18 serei vosso Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso. 1 Tendo, pois, ó amados, tais promessas, purifiquemo-nos de toda impureza, tanto da carne como do espírito, aperfeiçoando a nossa santidade no temor de Deus. (2 Coríntios 6:14-7:1)

Continuar lendo

Casamentos cristãos


Casamentos cristãos: “luzeiros no mundo”

Se existe uma área que os cristãos podem e devem ser luz (é claro que em todas as outras) é o casamento, devido a forma que estão corrompendo e transformando esta instituição divina no mundo.

O matrimônio entre os cristãos deve ser luzeiro em meio a uma negridão de trevas de pecado no mundo: Adultério; divórcio; falta de amor; infidelidade; descompromisso; desconsideração; desarmonia; ódio; magoas, que geram rancor e amargura; brutalidade; indiferença; violência verbal e física; etc., – algumas das “obras” vistas em inúmeros casamentos feitos e desfeitos.

“Fazei tudo sem murmurações nem contendas, para que vos torneis irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio de uma geração pervertida e corrupta, na qual resplandeceis como luzeiros no mundo, preservando a palavra da vida, para que, no Dia de Cristo, eu me glorie de que não corri em vão, nem me esforcei inutilmente.” (Filipenses 2.14-16)

Continuar lendo

Casamento: uma bênção de Deus

Ministério de casaisO amor que transforma

“Também disse Deus: Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança; (1.26) Criou Deus, pois, o homem à sua imagem, à imagem de Deus o criou; homem e mulher os criou (1.27). E Deus os abençoou e lhes disse: Sede fecundos, multiplicai-vos, enchei a terra e sujeitai-a; (1.28a). Então, formou o SENHOR Deus ao homem do pó da terra e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente (2.7). Disse mais o SENHOR Deus: Não é bom que o homem esteja só; far-lhe-ei uma auxiliadora que lhe seja idônea (2.18). Deu nome o homem a todos os animais domésticos, às aves dos céus e a todos os animais selváticos; para o homem, todavia, não se achava uma auxiliadora que lhe fosse idônea (2.20). Então, o SENHOR Deus fez cair pesado sono sobre o homem, e este adormeceu; tomou uma das suas costelas e fechou o lugar com carne (2.21). E a costela que o SENHOR Deus tomara ao homem, transformou-a numa mulher e lha trouxe (2.22). E disse o homem: Esta, afinal, é osso dos meus ossos e carne da minha carne; chamar-se-á varoa, porquanto do varão foi tomada (2.23). Por isso, deixa o homem pai e mãe e se une à sua mulher, tornando-se os dois uma só carne (2.24).” (Gênesis 1:26a,27,28;2:7,18,20-24)

Continuar lendo

Carros de Israel e seus cavaleiros

2 Rs 2.11,12

 

“Indo eles andando e falando, eis que um carro de fogo, com cavalos de fogo, os separou um do outro; e Elias subiu ao céu num redemoinho. O que vendo Eliseu, clamou: Meu pai, meu pai, carros de Israel e seus cavaleiros! E nunca mais o viu; e, tomando as suas vestes, rasgou-as em duas partes.” (2 Reis 2:11,12)

Elias, o exército de Deus de um só homem estava partindo. Porém, deixava outro exército: Eliseu. A princípio, este profeta ficou apreensivo, mas sabemos pelos relatos bíblicos que Eliseu cumpriu cabalmente a sua tarefa de continuar o trabalho de Elias. Na verdade, precisamos sempre lembrar, que a obra é de Deus e não dos homens. A batalha contra o mal e o pecado continuará até a volta de Cristo; sai um combatente, entra outro. Elias combateu “o bom combate” (2 Timóteo 4:7), assim como Eliseu e bem mais tarde o apóstolo Paulo, dentre tantos outros servos de Deus e soldados de Cristo.

Continuar lendo

Atitudes incompreensíveis

Assim diz o rei [Acabe]: Metei este homem na casa do cárcere e angustiai-o, com escassez de pão e de água, até que eu volte em paz. Disse Micaías: Se voltares em paz, não falou o SENHOR, na verdade, por mim. Disse mais: Ouvi isto, vós, todos os povos! Subiram o rei de Israel e Josafá, rei de Judá, a Ramote-Gileade” (1 Reis 22:27-29).

Batalha - 1 
Dois reis, dois corações e duas atitudes incompreensíveis. Acabe, um mau rei com um coração perverso ignorou as palavras dos profetas de Deus, Elias e Micaías, a seu respeito; profecias nada animadoras. “Porquanto soltaste da mão o homem que eu havia condenado, a tua vida será em lugar da sua vida, e o teu povo, em lugar do seu povo” (1 Reis 20:42). “No lugar em que os cães lamberam o sangue de Nabote, cães lamberão o teu sangue, o teu mesmo” (1 Reis 21:19b). “Vi todo o Israel disperso pelos montes, como ovelhas que não têm pastor; … o SENHOR falou o que é mau contra ti (1 Reis 22:17a;23b).

O rei de Israel, Acabe, devia estar apreensivo com tais palavras que vez ou outra retornava a sua mente e desta feita, tomou uma atitude pouco comum a um rei frente uma batalha: ele não vestiu os trajes reais e sua armadura como era o costume aos reis em combates. Em súbita manobra para tentar se esconder, ele se dirigiu ao rei de Judá, Josafá, e desferiu seu plano: “Eu me disfarçarei e entrarei na peleja; tu, porém, traja as tuas vestes. Disfarçou-se, pois, o rei de Israel e entrou na peleja” (1 Reis 22:30). Com toda a sua apreensão, ele foi enfrente com a sua teimosia em não ouvir as palavras do Senhor ditas pelos profetas. No último momento tentou “fugir” de sua sentença deixando seus trajes reais que facilmente seriam identificados pelo inimigo, comprometendo a vida de Josafá, que trajando as vestes reais, seria rapidamente identificado pelos Sírios no combate em Ramote-Gileade.

Em contrapartida, Josafá, um bom rei com um caráter humilde, buscou as palavras do Senhor por intermédio de um verdadeiro profeta de Deus, Micaías (1 Reis 22:3-9), mas estranhamente, preferiu participar da batalha ao lado de seu amigo, apesar das palavras contrárias do profeta (1 Reis 22:14-26). A primeira impressão que temos é que Josafá não soube como reagir nesta situação. Estava tão comprometido e envolvido com Acabe que não soube como dizer não. Agradar a Deus ou agradar ao amigo? Seu compromisso com Acabe, quase lhe tirou a vida (1 Reis 22:32,33), e com certeza deve ter aprendido uma grande lição: O nosso compromisso deve ser primeiramente com o Senhor e nunca devemos abandoná-lo.

Palavras para guardar: Compromisso (com o Senhor) e Nunca (abandoná-lo)